Review – Dungeon Siege III

Bão, como prometi a mim mesmo, vamos a um quick review do Dungeon Siege 3! Quick mesmo, nada de me empolgar a falar / escrever como uma velha lavadeira.

Pra ser sincero, nunca gostei muito da série Dungeon Siege. Sempre achei uma série que traía o movimento RPG véi. Um monte de personagens sem carisma, sem interações, e era só andar pra lá e pra cá, matando milhares de monstros e pronto e pronto.
Mas como o terceiro jogo da série ficou nas mãos da Obsidian (especialista em sequels) e distribuído pela Square Enix, resolvi dar uma chance.
Mas Dungeon Siege 3 ainda é extremamente ‘non-brainer’ e linear para um RPG. Mas nem por isso deixa de ter os seus méritos. O jogo traz um sistema de evolução de personagens interessante, e simples o suficiente para não afastar novos jogadores. A jogabilidade (meio desengonçada na versão de PC) ainda assim é bem funcional, permitindo que você faça combos de skills de maneira fácil e rápida.
Logo no começo, você escolhe entre quatro personagens: Lucas (o Guerreiro), Anjali (a Elemental do Fogo popozuda), Katarina (a mina dos trabucos) ou Reinhardt (o maguinho das engrenagens). Todos os personagens tem suas vantagens e desvantagens, mas eu acabei escolhendo a Anjali porque em sua forma elemental ela tinha altas skills de regenerar vida / absorver dano e consegui fazer um combo de skills foda.
Lucas Montbarron
Anjali
Katarina
Reinhart Manx
Dependendo da sua escolha de personagem, o começo é ligeiramente diferente, mas nada que você fale “Óóóóóóóó!”. Independente da sua escolha inicial, os outros personagens se unirão à você como NPCs, e você pode jogar com dois simultaneamente. Deve ser interessante jogar de 2 com outro coleguinha, mas nunca testei.
A história é tão babaca e piegas que nem vale a pena ser mencionada aqui.
Os gráficos podem não ser os melhores do mundo, mas são bem competentes para um RPG e não decepcionam. O mesmo pode-se dizer da música.
O jogo também é extremamente curto para um RPG, zerei em menos de 10 horas. O que eu não achei necessriamente ruim (porque minha pilha de jogos tá crescendo e eu não estou dando conta!).
Enfim, Dungeon Siege 3 não é nenhuma obra prima, e nem tenta ser. Acho que a palavra chave aqui é diversão. O combate é repleto de ação, o jogo não tem muitos falatórios, então mesmo se você é um iniciante no mundo dos RPGs, vale a pena pegar um coleguinha e embarcar nessa aventura (apesar do jogo ser meio foda demais às vezes). Vale uma conferida com certeza!
Nota 7,5.