Gay War: Marvel e DC X Puritanismo

A real saga dos quadrinhos no verão norte americano

Nem “The Avengers Vs. X-Men” nem “Batman – A Corte das Corujas”, as histórias em quadrinhos que tem movimentado e elevado a temperatura dos sites e blogs na terra de “Obamis” são o casamento gay do X-Men Estrela Polar e a releitura de um personagem clássico da DC (muitos sugerem Alan Scott, o primeiro Lanterna Verde)  como um personagem homossexual

















E o assunto não tem sido privilégio apenas do universo “verme-nerdístico”, há notícias relacionadas saindo na Fox, no Daily Mail, the Guardian, New York Post dentre outros.

Ainda me impressiono como esse assunto consegue render tanta polêmica e revolta em pleno Maio de 2012.
O blog do Cú Blindado, leia aqui, noticiou hoje que a “Liga de um Milhão de mães”, um grupo de mães hiperocupadas que tem um milhão de integrantes, mas não, acaba de lançar uma carta aberta encorajando as pessoas a escreverem para a Marvel, DC, Disney e todas as editoras e produtoras que trabalhem com personagens “sexuados” pedindo mais ou menos isso:
 “parem de doutrinar jovens mentes impressionáveis colocando esses personagens gays em um pedestal mostrando-os de forma positiva, vocês estão influenciando nossa juventude utilizando os super-heróis infantis  para deixá-las mais tolerantes, fazendo uma lavagem cerebral de forma a fazê-las pensar que um estilo de vida gay é uma opção normal e desejável. Como cristãos, sabemos que a homossexualidade é um pecado (Romanos 1:26-27)”
A carta completa pode ser lida (em Obamês) aqui:   http://www.onemillionmoms.com/currentissue.asp
O que dizer sobre tudo isso?
Vão chupar pitombas!!!
Assim como tem gente que gosta de ler histórias sobre assassinos brancos de garras retrateis, heróis albinos voadores de capas vermelhas há gente que gosta de ver representado na mídia personagens com a sua cor, sua orientação sexual, seu trabalho, seu modo de vida. Há público para tudo. Não há nada sendo imposto como regra ou modelo  ser seguido, a não ser a intolerância desse povo. 

As editoras estão apenas acordando para o fato de que o mundo não é povoado apenas por personagens brancos ocidentais,  e estão logicamente lucrando em cima disso. Isso é um mercado pura e simplesmente, estão atendendo a demanda dos seus consumidores e finalmente respeitando a diversidade desses leitores.
Outra coisa que não pode deixar de ser notada, essas mães temem que as “crianças” serão afetas e influenciadas por esses personagens e histórias. Como se a imensa maioria dos consumidores de histórias em quadrinhos não fosse de adolescentes e homens barbados com mais de 30 anos de idade. Como se as revistas já não fossem classificadas para determinadas faixas etárias. Como se as pessoas pudessem ser doutrinadas a mudar sua orientação sexual, como se isso fosse realmente uma escolha de vida. Como se histórias em quadrinhos viessem realizando lavagem cerebral em mentes impressionáveis nos últimos 100 anos, o que seguindo esse raciocínio justificaria um mundo maioritariamente heterossexual. Como se houvesse algo errado em ser homossexual!!!!
Obviamente há um certo oportunismo por parte dos editores em aproveitar o rebuliço causado por Barack Obama ao se posicionar mais fortemente favorável ao casamento gay nos EUA, semanas atrás, mas digo novamente, essa é a porra de um mercado, nada mais lógico que explorar um assunto em voga para movimentar as vendas. Qual é o real problema? De quebra ainda ajuda a jogar um pouco de luz na ignorância medieval generalizada.

Por fim, o “milhão de mães” pedem que as pessoas hajam da seguinte maneira:
“Por favor, envie a DC (Warner) and Marvel(Disney um e-mail incisivo pedindo que mudem ou cancelem todos os seus planos com super-heróis homossexuais imediatamente. Peça a eles para fazer a coisa certa e reverter sua decisão de expor orientação sexual aos leitores”
Ou seja, cerveja! Se as editoras seguirem o pedido de não expor orientação sexual aos leitores ao pé da letra, isso quer dizer que Lois e Clark nunca teriam furunfado, quiçá casado e Cyclope não teria emprenhado Madelyne Prior e Cable não teria nascido ….. pensando bem, tudo tem um lado bom 😀
By Gordo