Review – Novos 52 – Superman #1

Reboot do escoteirão remete à Era de Ouro. Ou não? 

E aí, galerinha do mal? Todo mundo pronto para o Review do Maloqueirão de Aço?

Superman # 1

Editora: Panini Comics – Revista mensal

Detalhes da edição: Capa couché, papel prisa-brite, impressão de merda.

Preço: R$ 6,60

Número de páginas: 80

Data de lançamento: Junho de 2012

O que a edição contém?

Superman – Qual é o preço do amanhã? (Superman # 1) – George Pérez (roteiro e esboços), Jesús Merino (arte) e Brian Buccellato (cores);

O que é que acontece quando botam um desenhista pra escrever roteiro de gibis? Isso mesmo: merda! George Perez é um excelente desenhista, mas essa história do azulão deixa a desejar.  Um roteiro arrastado e que não agrega nada. Fora o Clark corno e com cabelinho de Harry Potter no final da história, que ajudou a matar completamente a narrativa.

Nota 2/5

Supergirl em A Última filha de Krypton (Supergirl # 1) – Michael Green e Mike Johnson (roteiro), Mahmud Asrar (desenhos), Dan Green com Asrar (arte-final) e Dave McCaig (cores);

Ééééééé legalzinho. A história da Supergirl, se não chega a empolgar muito, ao menos diverte. Fiquei ansioso pela próxima edição, o que é um bom sinal.

Nota 3/5

Superman contra a Cidade do Amanhã (Action Comics # 1) – Grant Morrison (roteiro), Rags Morales (desenhos), Rick Bryant (arte-final) e Brad Anderson (cores).

Aí  sim! O careca favorito do Gordo (depois dele próprio), mostra a que veio recontando as histórias de várzea, histórias moleques e de raiz do escoteirão, da época que ele ainda era meio que um delinquente juvenil aprontando 1001 confusões em Metrópolis. Essa fase remete diretamente à Era de Ouro do herói, em que ele tinha um senso de justiça bem mais ‘sangue nos zóio’, ainda não voava (apenas dava longos saltos) e sua superforça não era tão desenvolvida. E, convenhamos, revirar o baú dos quadrinhos e resgatar conceitos láááá das antigas é uma coisa que o Kojac escocês sabe fazer muito bem. Pena que o Gordo e o Mamica já me desiludiram no podcast dizendo que as histórias não vão manter esse teor por muito tempo.

Nota 4/5

Comentários finais: Uma edição bem mais equilibrada que a da Liga da Justiça que revisei anteriormente, mas ainda assim me pergunto se vale a pena pagar o preço de capa por três histórias quando só uma realmente vale a pena.  E a qualidade de impressão continua uma bosta. Se bem que temos que valorizar o trabalho da Panini, que tem mantido o preço de suas publicações acessíveis e constantes.

Nota Final 3,5 / 5