Thrillbent – A cartada digital de Mark Waid

O CnC como vocês já devem ter percebido é um site entusiasta de qualquer iniciativa que ajude a modernizar, difundir e renovar o tão carente mundo dos quadrinhos. Semana passada fizemos uma matéria especial sobre os Infinite Comics da Marvel e agora a novidade vem de um dos melhores roteiristas da atualidade, Mark Waid, recém egresso de 3 Eisner Awards for sua aclamada fase na revista do Diabo Ousado da Marvel.

Mark Waid e um de seus prêmios – Calma suas piranhas, não é o George Costanza de Seinfeld

Waid ficou mundialmente conhecido por sua longa fase na DC, onde revitalizou o Flash (Wally West, em sua mais emblemática fase de todos os tempos) e criou a mini-série arrasa-quarteirão Reino do Amanha (Kingdom Come), que mostrava um futuro distorcido e apocalíptico dos heróis DC magistralmente ilustrado por Alex Ross. Pra quem não sabe, ele é também namorido de Gail Simone, uma das poucas e conhecidas escritoras de quadrinhos do mercado mainstream.

Gail e Waid – É dos carecas que elas gostam mais.

Waid, que também já fora criador e Editor Chefe do BOOM! Studio, surpreendeu ao trazer para a última San Diego Comic Con, o lançamento de sua primeira produtora digital, a “Thrillbent“, que foi desenhada para ser uma espécie de “tenda” que reunirá artistas e escritores que poderão desviar das barreiras de se produzir para o mercado impresso, investindo em produção digital. Waid mesmo irá hospedar seu novo projeto “Insufferable” dentro do portal.

Esse site surpreende por ser uma tentativa de adaptar os quadrinhos, tal e qual são publicados no seu meio físico, sem efeitos especiais, sem animação, sem música, apenas imagens em ótima resolução com fácil acesso e muito material gratuito, sim gratuito!

Indo na contra-mão de todas as produtoras de conteúdo de entretenimento que investem para aumentar suas proteções a cópias, Waid resolve lidar com a “ameaça” dos torrents, tentando transformar isso em uma vantagem. O raciocínio do cabeludo-só-que-não é que os torrenteiros ampliam o alcance de suas revistas e que eles não se preocupam em editar as revistas retirando as páginas de propaganda, especialmente as páginas que falam dos produtos dasegundos editoras e segundo ele é a partir daí que os leitores chegariam ao site e teriam acesso a mais conteúdo grátis.

Waid aposta numa abertura de formatos e modelos de negócio. Se um autor quiser disponibilizar uma revista de graça por um mês, ele o faz. Se ele quiser cobrar 99 centavos por edição é escolha dele e se o leitor quiser pagar mais ou menos pelas suas revistas, ele também pode. Existirão mecanismos de pagamento apropriados para esse tipo de livre escolha e eventualmente as pessoas irão querer adquirir cópias físicas das revistam que gostam – o que acontece de fato, eu sou exemplo vivo de como esse modelo pode funcionar.

Waid é enfático em querer se livrar da visão Digital Vs. Impresso. mudando para Digital E Impresso. Digital é mais um meio e não o meio que substituiria o modelo antigo e que tem provocado a ira de muitos donos de Comic Shops nos EUA.

Até o momento grande parte dos custos do site e dos autores tem saído do bolso do próprio Waid, que tem leiloado sua coleção de revistas do Lanterna Verde. Atitude admirável, como ele mesmo disse, vendendo o seu passado para investir no futuro dos comics.

Um dos primeiros eventos da produtora será o “Season One“, em parceria com a Top Cow, de Mark Silvestri (Criador de Witchblade e Darkness). A editora da vaquinha superior já fazia isso no meio impresso. Basicamente eles lançavam um turdilhão de séries e os leitores elegiam aquelas que seriam continuadas e se transformariam em regulares. A idéia é nesse período, lançar por volta de 8 a 10 séries por semana direto para o portal digital do Thrillbent.

Além disso, a produtora contará com os seguintes lançamentos:

Field Trip” – textos de Gail Simone e arte de Amanda Gould, foca em um grupo de demônios inconvenientes que resolvem tirar férias do inferno e aprontar mil e uma confusões na Terra. Segundo Waid, a história é maníaca, horripilante e sanguinolenta, tudo o que ele associa com Gail (sua esposa) !!!
The Damnation of Charlie Wormwood” – história com clima do seriado “Breaking Bad” onde um professor de faculdade resolve dar aulas na prisão e ele é quem passa a aprender com os presos.
Working for Monday” – Pela descrição parece ser uma espécie de Diabo veste Prada onde a Miranda seria uma super vilã.
Arcanum” é descrito como uma versão do seriado “24 horas” onde eles trocam o mundo de tecnologia por magia (Feiticeira, alguém?).

Foram anunciados também uma série de outras revistas com lendas dos quadrinhos como Kurt Busiek, que escreverá “The Gas Kat Prows“, mas não foram dados maiores detalhes.

As descrições acima soam arriscadas, podem ser as tão clichês facas de dois gumes, pois ao mesmo tempo que se falar de histórias em quadrinhos tomando como base excelentes seriados de TV pode dar a impressão de termos um produto de qualidade, por outro lado o fato de eles não conseguirem vender um enredo por ele mesmo, tendo que compará-los a coisas que já existem me lembrarm muito a iniciativa dos quadrinhos da Virgin de anos atrás, que mesmo com bons autores como Garth Ennis, não acabaram bem.

Só conferindo pra saber. Eu pretendo dar uma chance a algumas séries, portanto se vc ficou interessado nessa iniciativa, fique de olho no CnC pois reviews das principais séries podem aparecer a qualquer momento.