Review – Iron Sky

A Terra está sendo invadida! E por nazistas do espaço sideral?! Mas hein?

Segundo o filme, após os nazistas perderem a Segunda Guerra Mundial, eles se refugiaram no lado escuro da Lua (sim, aquele mesmo, do disco do Pink Floyd e dos Inumanos), enquanto planejam sua vingança contra a humanidade.

Pela premissa totalmente galhofa, já dá pra perceber que trata-se de uma produção B. Não querendo desmerecer, muito pelo contrário: como uma produção de relativo baixo custo, Iron Sky impressiona.

O filme é uma mistura de comédia galhofa com ficção científica, então ele tem aquele climão nostálgico do saudoso ‘Spaceballs’, de Mel Brooks.

Mas são nas cenas espaciais que Iron Sky se destaca: na sequência final há um combate em pleno espaço que – se o conceito não fosse tão absurdo – seria perfeitamente crível.

Acho que o grande defeito é realmente o filme não se levar muito a sério (o astronauta afro-negão sendo ‘albinizado’ foi forçar a barra demais, por exemplo). Justamente por estar no meio do caminho entre a galhofa e a ficção, ele acaba não sendo nem uma coisa nem outra. Podiam ter explorado mais o lado sci-fi, que como já falei, me surpreendeu muito, mas mantendo alguns aspectos do humor ácido.

Ah, destaque para a desconhecida Stephanie Paul, que interpreta a Presidente dos Estados Unidos (na verdade é a Sarah Palin – mal – disfarçada). Só pela atuação caricata e escrachada (porém extremamente crítica) dela já vale o filme.

Enfim, para um filme que eu não estava dando a água da salsicha, foi uma grata surpresa. Não espere dar altas gargalhadas, mas um humor mais politizado, e algumas belas cenas de ação no espaço.