Review na Cuia – Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Fala galera. Como eu não participei do último podcast sobre o bátema, eu resolvi postar esse review como opinião definitiva do filme. Portanto, sõ esse review que vale. Há!

Antes de mais nada, esse review se divide em duas partes: com e sem spoiler. A primeira parte é livre de spoiler. Se você ainda não assistiu, pode ler tranquilamente. Avisarei no meio quando terá spoilers. Portanto, leia por sua conta e risco.

Christopher Nolan fechou o segundo filme, Batman – O Cavaleiro das Trevas de forma maestral, consagrando o diretor. Além disso, Porém,  restava a dúvida de como o diretor iria continuar uma saga que foi tão boa e supreendente até então. Com uma atuação do criticado Heath Ledger na época que foi anunciado, superando todas as espectativas e elevando o vilão Coringa como uma das melhores adaptações de quadrinhos para filmes, Nolan anunciara o terceiro filme com Bane de vilão, deixando os fãs com a pulga atrás da orelha. Quem já leu “A Queda do Morcego” sabe do que estou falando.

Então, o filme lançou, críticas positivas a rodo pelo mundo. Mas será que é isso tudo que estão falando?

Para um pequeno resumo, nos quadrinhos, Bane foi criado para diferenciar a moda das mortes de heróis famosos na década de 90. Apenas quebrou a coluna e deixou Bruce Wayne paraplégico e surgindo Azrael como “novo Batman”. Isso sinceramente deu medo se isso realmente fosse adaptada em um filme. Nolan poderia se comprometer, estragando uma trilogia que tinha tudo para ser a melhor adaptação dos quadrinhos. Além disso, tinha um trauma que um tal diretor chamado Joel Schumacher fez com Bane em Batman & Robin. Aquele Bane como capanga da Era Venenosa deveria ser apagado de todas as memórias do mundo. Porém, quem fez esse filme foi nada mais nada menos que o Nolan. Batman Begins foi bom, Cavaleiro das Trevas muito melhor, não teria como errar nesse terceiro, certo?

Pois então. O filme começa Bane (Tom Hardy) em um atentado a um avião. Cena interessante e diferente do habitual. Sem aparecer origem do vilão, já com máscara e voz modificada, do mesmo modo do Batman. Seus objetivos seriam mais claros no decorrer da trama. Além disso, Bruce Wayne está recluso em sua mansão. Gothan City mais tranquila, sem a necessidade de um herói para manter a ordem.

No meio disso, surge John Blake (Joseph Gordon-Levitt), um policial que luta por justiça (tive medo disso. Entenderá se ler a sessão de spoilers), Miranda Tate (Marion Cotillard), uma filantropa e Selina Kyle (Anne Hattaway) , a famosa mulher-gato onde todos ficaram mais curiosos e eu fiquei contente com o anúncio porque eu acho ela uma atriz muito talentosa e seria uma boa Selina.

Falando primeiro da Selina, uma ladra de jóias, sexy, ágil e sem necessidade de mostrar origem dela. Algumas cenas foram necessárias para a cuecada de plantão como poses na moto, andar totalmente sensual, etc. Porém, a sua atuação fez com o que esquecesse por um momento da Michelle Pfeifer e sua famosa lambida no filme de Tim Burton.

Além disso, fica um mistério se ela seduz o Batman porque quer algo, ou não. Uma atuação ótima. Portanto, boa escolha da atriz e concordo com o Nolan de ela merecer um filme solo, pra pelo menos esquecermos daquele desastroso filme da Hale Berry. Porém, nem tudo são flores. Pareceu que faltou muita coisa da mulher-gato a ser mencionada no filme.  Ela deveria ter sido mais explorada na trama, apesar de eu achar que ela foi a melhor inclusão no filme.

Miranda foi a parte apática do filme. Não adicionou muito e atuação bem fraca. Sem mais. Já Blake demonstrou a luta por justiça, atuação boa, nada mais.

Percebe-se que nesse filme, há várias tramas, boas e duvidosas. Uma boa é sobre o Comissário Gordon que, com a morte de Harvey Dent no segundo filme, Batman assumiu a culpa de sua morte, porém, resta a ele tentar reverter isso, já que a polícia local está a procura do herói.

Voltando ao vilão principal, eu tentava imaginar como Nolan faria pra usar Bane com aquele soro pra ficar gigante. Não usou. Realmente Nolan conseguiu um enfoque mais realista ao vilão e tornou Bane mais revolucionário e vingativo, porém, em meio disso, terrorista.

Já Christian Bale, não precisa falar muito de sua atuação. Continuou fazendo um bom papel como nos anteriores, mesmo tendo uma decadência do personagem no filme até seu ressurgimento. Daí o nome do filme, deerrrrr.

Uma das coisas que me incomodou foi a perda de tempo pra explicar tudo o que acontece no filme, gerando algumas cenas desnecessárias pelo fato de que já estaria explícito o ocorrido. Além disso, o filme tem problemas de manter o foco em uma trama, algo que está ficando muito comum em filmes assim. Muitas tramas e pouca resolução ou mal resolvida.

Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge é um ótimo filme, porém, inferior ao seu antecessor. Mas é um filme que me deixa satisfeito como desfecho de uma trilogia consagrada e entra como uma das melhores trilogias feitas, além de uma das melhores adaptações de heróis de quadrinhos para o cinema. Só resta saber se a Warner vai querer continuar com essa idéia ou zerar totalmente para entrar definitivamente no Unverso DC e preparar para o filme da Liga da Justiça.

Óbvio também é a comparação desse filme com Os Vingadores. O que eu acho? Incomparável. Vingadores é divertido e Batman é de pensar e mais drama.

Nota 9

****** SPOILER ALERT *******

Bom galera, review sem spoilers feita, nota dada. A partir de agora é por sua conta e risco.

Aviso feito, então lá vai. Eu achei que a trama da mulher-gato deveria ter sido mais explorada. O seu envolvimento com Bruce Wayne, apesar de ter sido impecável quando aparecia, parece que faltou muitas pontas, provalvelmente por ter sido bastante cortadas. A cena do roubo do colar que estava no cofre de Bruce foi muito boa, mostrando que Selina é fdp, porém sedutora. E joga com maestria. Outra cena que gostei foi a venda das impressões digitais de Bruce. Apesar de que essas impressões digitais iriam ser usadas de forma terrível, deu-se a impressão desejável de anti-herói de Selina.Não teve origem dela. Ela aparece derrepente com a roupa e com cenas para todos s cuecas se deleitarem. Poses na moto, reboladas, etc.

Blake como Robin? Isso realmente foi o cúmulo. Tive medo que quando Bane quebrou a espinha do Batman, Blake fosse virar Azrael, o que seria um absurdo. Mas derrepente, no final, blake se revela seu verdadeiro nome, Robin?!?!?!?!

Agora a cena mais patética do filme. A revelação que Miranda era Talia al’Ghul e, principalmente, a sua morte. Parecia morte de pessoas em filmes de comédia. Simplesmente caiu a cabeça e fechou os olhos. Dramatização da atriz muito aquém do esperado. Foi uma cena que deu mais vontade de rir do que outra coisa.

As cenas de luta entre Batman e Bane simulando a queda do morcego foi muito impactante. Eu fiquei muito satisfeito com essa base. Porém, a recuperação da coluna de Bruce foi algo milagroso. O ajudante do médico cego apenas bate nas costas de Bruce e curou!!!!!! Olhem médicos que pesquisam sobre a cura da lesão. Vocês nem sabiam que é só dar uma porrada nas costas e tá tudo resolvido!

Bane revolucionário? Pois então. Uma hora ele é um terrorista que só quer a morte e o caos. Depois ele se preocupa com os presos injustiçados e todos aderem a sua causa, tornando Gothan uma cidade sem lei. Aí você vê que ele era apenas um capanga da Talia Al’Ghul e queria vingar a morte de seu pai. Bem, é auto-explicativo. Novela das 8?

Acho que o diretor teve problemas com a morte de Heath Ledger e teve que criar uma trama diferente. Não houve nenhuma menção do filme anterior em relação ao Coringa. Eu esperava que a loucura de Bruce, a reclusão em sua mansão fosse por causa do vilão do segundo filme, mas nada foi mencionado. Apenas na trama da morte de Harvey Dent.

Em resumo, o filme discorre bem, tramas boas, porém vem o problema de um filme ter várias tramas e todas se resolvem praticamente ao mesmo tempo, fazendo com o que alguns se fechem do nada simplesmente por fechar. Parece novela das 8 que tem muitas tramas e não sabem concluir bem (recado pro Gordo noveleiro).  O filme não é perfeito, mas me deixou bastante satisfeito. O diretor fez milagre com Bane. Nolan fechou com chave de ouro a trilogia. Deixou um legado e ensinou outros diretores em como criar uma adaptação de HQs. Espero que a Warner siga essa fórmula e deixe o Universo DC épico. Vamos esperar ano que vem pra ver como Superman vai ser.

PS: Gostei dos veículos do Batman, principalmente aquela moto que qdo vira, ele gira as rodas freneticamente…

  • Bruno Ramos

    Fala galera,

    Fui assistir esse filme semana passada e gostei muito. Ótimo review. Abordou vários aspectos do filme. O texto é grande mas valeu a leitura. Sou meio preguicoso pra ler, mas foi bom. Parabéns

    Agora vou ouvir o podcast de vcs.

    Falou

    • Boobs

      Fala Bruno!

      Vlw por comentar. A gente tentar fazer o melhor. Continue nos visitando. Sempre teremos novidades.. =)

      Abraços