Moonrise Kingdom – Review

2

<GORDO> Mais um post reciclado do CnC para dar seqüência ao nosso especial “Estrada para o Oscar”, escrito pelo nosso finado Fatso. Enjoy it 🙂 </GORDO>

Wes Anderson é um dos diretores de Hollywood que já deixou muito clara a sua temática e até mesmo a sua maneira de dirigir. As escolhas dele como diretor são muito claras, assim como suas escolhas como roteirista. Sou fã de todos os diretores autorais e o mais interessante é que esses mesmos diretores conseguem sempre contar a mesma história com ideias, perspectivas e climas diferentes.

Moonrise Kingdom é mais um filme sobre um amor que tenta vencer as contradições, sobre o desejo de escapar de um destino ou de algum lugar, e sobre a vida de personagens que beiram o normal, mas existe algo excêntrico neles que os fazem não pertencer à realidade por um milímetro.

A história é sobre dois misfits, Sam e Suzy, que depois de se conhecerem e trocarem cartas de amor decidem fugir para viver juntos. O que acontece é que eles são apenas crianças e eles moram numa ilha, onde não se tem muito para onde fugir. Com essa fuga, várias “facções” da ilha vão atrás dos pombinhos, e com isso, várias outras histórias e personagens se cruzam ou são descobertos. Tudo isso com um narrador e um clima bem Shakespeariano.

Wes Anderson continua com sua narrativa que mais parece um livro, nesse caso, os cenários e movimentos de câmera remetem a um teatro ou a um livro infantil, onde a câmera quase nunca entra em cena, ela vai de um lado para outro, zoom in e zoom out, mas mesmo assim fica claro que estamos num cenário, o que está acontecendo é uma farsa, mas isso não faz dela menos cativante.

Moonrise Kingdom tem um grande elenco. Bill Murrary, Frances McDormand, Bruce Willys, Edward Norton, e ainda temos aparições de Tilda Swinton e Jason Schwartz. Mas o mais interessante é que as estrelas do filme são o casal juvenil interpretado por Kara Hayward e Jared Gilman.

Não é qualquer um que junta um elenco desses num filme só…

O trunfo do filme é parecer um filme para crianças, ter esse universo e perspectiva muito claros, mas ser um filme para adultos. Os personagens adolescentes são praticamente adultos com um pouco da inocência da juventude e esse meio termo, essa terra de ninguém que eles se encontram é que faz o último filme de Wes Anderson ter mais coração que a maioria de seus outros filmes, que eram mais cerebrais ou cômicos.

Moonrise Kingdom é mais um filme de Wes Anderson feito com apuro artístico de sempre e delicadeza. Com uma ótima trilha e grande elenco. Seus elementos e personagens excêntricos continuam como em todos os seus filmes, mas arrisco dizer que esse é um dos seus primeiros filmes que ele traz a inocência sem ser ingênuo.  Recomendo sem sombra de dúvida para quem quer ver um filme despretensioso, mas que ao mesmo tempo tem um olhar diferente e não se leva a sério em momento algum, e acho que finalmente os big shots de Hollywood estão aprendendo essa lição.

1