Top CNC – 5 animes que o Mamica-senpai recomenda

Chegou aquela época do ano onde todos os seus “amigos” vão festejar o fim de ano com a família de suas namoradas mas você como um bom weeaboo solitário ficará em casa com sua waifu. Você até finge que não se importa mas admita, por dentro você se odeia. Esse top não é para você porque você além de já conhecer tudo que eu falarei você ainda discordará. É pro seu amigo.

Não estão em uma ordem específica porque não existe um critério, apenas são alguns animes que eu acho que todos que gostam e/ou se interessam pela mídia deveriam consumir. Se você não concorda com a lista… ¯\_(ツ)_/¯ A lista é curta propositalmente porque muito do que for falado demandará bastante tempo da sua existência e se você tem namorada(o) já sabe que você não tem todo o tempo do mundo ლ(゚д゚ლ)

新世紀エヴァンゲリオン / Shin Seiki Evangelion (1995-20xx? Todo ano sai coisa nova…)

Vamos começar pelos mamilos dos animes! Muitos odeiam, outros gostam e alguns até escrevem teses de mestrado sobre ele mas a bem da verdade é que Eva foi um anime que marcou os anos 90 ao quebrar muitos clichês, incluindo o do herói-guri num robô (oi Gundam!) descontruindo o formato. Ele sofre do mal que muito do que veio depois dele o copiou e por isso se você só conhece pós-Eva é difícil entender como ele foi marcante naquela época e/ou quando nós aqui nos BR conseguimos acompanhar.

evangelion-mari

Apesar disso, Eva é uma amontoado de merda em questão de cronologia e história. A série de TV teve 26 episódios aí a japonesada de primeira, segunda, terceira geração ficou putinha e a GAINAX refez o 25/26 onde que na verdade, o 25 é a segunda parte de um filme (Death and Rebirth) e primeira parte de outro filme (The End of Evangelion) e o 26 a segunda parte de The End of Evangelion. Quer piorar? Tem o Rebuild of Evangelion (que eu já falei aqui) onde são quatro filmes sendo que o terceiro mudou tudo.

shinji-surprised

Apesar de tudo isso, Eva ainda merece ser assistido em sua plenitude — de preferência bêbado — por qualquer um quer queira apreciar a mídia e entender o que vem antes e o que vem depois de Eva em quesito animes.

灰羽連盟 / Haibane Renmei (2002)

Haibane Renmei é um daqueles animes curtinhos (13 episódios) que são mais filosóficos do que qualquer outra coisa. Você essencialmente segue a história da Rakka quando ela, literalmente, sai de um casulo em uma vila fechada por muros. Quando ela sai do casulo outras pessoas entregam a ela um auréola e nascem asas – parece um anjo? Poisé, não é. Não exatamente. Ou sim? Não sei.

haibane-renmei

Esse é o charme de Haibane. Apesar de ser relativamente óbvio que as pessoas morreram em outra vida não fica claro se aquilo é um purgatório, céu, inferno ou até mesmo nada. Eles tem regras específicas, tem que trabalhar e comem e dormem normalmente. Essa pegada em vida-pós-morte que na verdade é tão merda quanto a vida normal faz com que Haibane tenha um lugar cativo em meu coração mesmo que eu tenha visto no ápice da minha otakice.

魔法少女まどか☆マギカ / Puella Magi Madoka Magica (2011)

Apesar do nome fofíssimo, abertura pra lá de clichê e uma personagem principal kawaii-desu Madoka tem um lugar garantido nessa lista justamente por desconstruir todo o gênero de garota mágica. Sinto muito pelos Gordos de plantão mas Sailor Moon é igual latrina perto de Madoka. Eu já falei de Madoka aqui então pularei muitas descrições do anime e recomendo que você leia meu review — que é velho mas ainda vale.

mami-death

コードギアス 反逆のルルーシュ / Code Geass (2006-2008)

Tem mais coisa no nome mas chamar de Lelouch da Revolução é pra lá de tosco. Code Geass entra na minha categoria de “é mais do mesmo mas é bom”: Essencialmente um conflito étnico com robôs gigante. A grande sacada é que é feito por uma das maiores produtas desse tipo de anime (Sunrise) com um grupo com um dos melhores designs visuais de personagens (CLAMP). Receita de sucesso né?

code-geass-lelouch

Na verdade se fosse só isso Code Geass nem estaria aqui. Ele pegou um tema batidaço e juntou com outro tema batidaço, deu uma chacoalhada, pegou dicas com a ‘Murika e botou um cliffhanger no final da primeira temporada. Apesar de tudo isso a historia é bem cativante dado que o nosso anti-herói/heróis, Lelouch, ganha um poder malucão que faz com que as pessoas obedeçam o que ele disser.

A maioria das pessoas normais construíria um puteiro mas Lelouch é, “secretamente”, membro da família real então ele decide que odeia todo mundo e vai derrubar a monarquia para, surpresa!, vira o pica grossa das galáxias. Isso faz com que você nem fique com raiva dele porque né, ele já tem tudo mesmo.

Ainda assim o que faz Code Geass entrar aqui é que você ama, odeia, ama, odeia, ama, odeia e por aí vai Lelouch. Na real, todos os personagens você tem essa relação de amor e ódio – menos o Suzaku escroto que todo mundo odeia – e é essa sensação de realismo que faz o anime ser bom ao invés do clichê mocinho/vilão.

ガンダム / Gundam (1979 – UC 0153)

Tá, eu falei mal de Gundam ali em cima quando falei de Eva mas você tem que entender que falar de animes e ignorar a existência da mais duradoura série de robôs gigantes (mechas) é querer ser aquele modinha de merda que não gosta de ano novo e carnaval: Certificado de diferentão pra você seu bosta. Gundam é um caso à parte.

gundam-age-mecha

Gundam surgiu, curiosamente, para mudar como os animes de robô gigante da época eram do mesmo jeito que Eva fez com Gundam em 1995, Gundam fez 1979 e o motivo disso é bem simples: Até então, os robôs eram aquelas coisas caricatas a la tokusatsu então não dava pra levar muito a sério. Criado por Yoshiyuki Kill’em All Tomino a série trouxe realismo para o gênero inserindo os robôs em conflitos militares — eita porra! Para entender como isso é relevante basta perceber que apesar das lutas serem muito importantes, o grande X do seu coração da questão de Gundam são os conflitos políticos e as consequências das guerras que eles geram. Não por menos, o segundo anime da série — Zeta Gundam — é considerando um dos mais pesados em questões emocionais dada a quantia de gente que morre e como as pessoas se desenvolvem na série.

Quando um designer americano fez Gundam...
Quando um designer americano fez Gundam…

Como Gundam é pra lá de complicado eu recomendo começar por Gundam SEED que foi “meio que” um remake da série de 1979. Com todos os seus defeitos, ele ainda captura um pouco da essência do original e seu sucessor, SEED Destiny, de Zeta Gundam — mas atenção, assista os 4 filmes de SEED Destiny porque a série de TV é uma coisa desconexa e irritante.


E é isso tigrada! Uma lista pequena apenas com aqueles que eu considero os animes que todos deveriam ver antes de morrer! Obviamente ela não é completa nem compreende todos os gêneros que por aí existem; Como tudo na vida, exerça seu próprio julgamento do que você gosta e forme sua própria opinião.

Ou não, vá a merda e feliz 2016 ┐( ̄ヮ ̄)┌