Superman: Em ritmo de azaração total – Parte 1

É meu povo, enquanto o Superman dos cinemas só teve tempo de pegar a Lois Lane balzaquiana e mal teve tempo de sentir o borogodó  da Mulher Maravilha, o escoteirão dos quadrinhos já vem mostrando toda a petulância do cavalo em sua sede de conquistas sem fim.

O CnC como adora uma fofoca principalmente o Gordo aqui tratou de elaborar um especial com os melhores piores e mais absurdos momentos amorosos da vida Azulão nesses quase oitenta anos de existência. As peguetes mais obscuras e aqueles momentos vergonha alheia que merecem ser rememorados ou conhecidos por todos.

Superman, apesar do perfil pudico de garoto do interior fiel e de uma única mulher, como tem sido retratado nos anos recentes, já foi tão ou mais rodado ainda do que a própria Bruna Surfistinha.

A Lista de fincantes é grande e inclui a já referida Lois Lane, Lana Lang, Lori Lemaris, Lyla Lerrol, Luma Lynai, Linda Lee e isso só pra ficar nas aliterações. O herói está mais para um mineirinho-kryptoniano-come-quieto do que pra o caipira monogâmico do Kansas.

Diana, ou Mulher Maravilha, ao contrário, nunca teve grandes parceiros amorosos em suas histórias em quadrinhos, dá pra contar nos dedos das mãos o número de enlaces amorosos que a Amazona teve além do insosso Steve Trevor, o que diga-se de passagem é muito difícil de entender uma vez que a personagem viveu toda a sua adolescência cercada por mulheres e ao ser desovada no mundo dos homens ela deveria mais é dar uma de adolescente no colegial querendo curtir a vida, mas enfim, quadrinhos “mainstream” ainda são dominados pelo machismo.

O eterno casal insuportável!

Fato é, como não conseguimos levantar momentos amorosos suficientemente interessantes da vida da Amazona, resolvi focar esse especial nas anedotas semi-eróticas do Superman de todas as eras.

Nessa primeira edição, revemos os enlaces de Superman com a kryptoniana Lyla Lerrol, a nova Deusa Grande Barda, a legionária Satúrnia, Supergirl e a alienígena Luma Lynai.

Pra começar…

Vc não se lembra de Lyla Lerrol? Tudo bem, nem eu e isso significa apenas que temos menos de 40 anos de idade. Lyla foi uma kriptoniana que quase casou com Superman no período Pré-Crise. Ela ainda viria a aparecer como uma visão para o Superman em várias histórias e uma versão remasterizada dela surgiu na era Pré Novos 52 na saga “Superman: Godfall“.

Em tradução livre: Já que estou no inferno, o que custa dar um abraço no Capeta? – Tudo bem que o Demo aqui é uma loiraça, mas enfim…

O constrangimento começa no fato de que Lyla era a maior atriz de Krypton. Sim, atriz! Superman a conhece após mais uma vez quebrar a barreira do tempo e cair, veja só, em seu extinto planeta natal, num período pouco anterior à sua destruição.

Não bastando o fato de terem feito o Super se conformar com o fato de que não sairía de Krypton tão cedo, ainda forçaram a barra para que ele pedisse Lyla em casamento e se assentasse por lá como um operário no set de filmagem da atriz.

 

Como vergonha pouca é bobagem, em Superman #189 de 1966, Superman conhece um robô cópia de Lyla num planeta isca criado por Jor El para atrair possíveis invasões alienígenas.

É por isso que os quadrinhos pré-crise são tào adorados por quem se droga, não há limites para o absurdo, é puro entretenimento,

E Superman quase fez parte da indústria do entretenimento, mas dessa vez entretenimento adulto, ao lado de…

Esse é o um dos meus enlaces preferidos e veio de uma das fases mais elogiada pelos fãs saudosistas, o Superman de John Byrne.

width=400

Em poucas palavras, nessa história publicada em Action Comics #593Superman e a nova deusa Grande Barda são transformados em atores pornôs. E não, essa não é uma história da linha Vertigo tampouco da boa e velha magazine do tio Hefner.

A revista obviamente foi super comentada na época ah se houvesse internet! Byrne estaria em maus lençóis e o enredo consistia basicamente em um vilão genérico de Apokolips, que sequestrava a Grande Barda, que por sinal já era esposa do Dr Milagre, outro Novo Deus, a hipnotizava e a fazia atuar como atriz pornô.

Como a idéia deu super-certo e rendeu-lhe dividendos, inclusive sendo implementada na vida real anos mais tarde (Batman XXX e suas seqüências), por que não aplicar o mesmo golpe no Superman e fazer um filme com dois super heróis? Fácil né? Mais fácil que peidar dormindo.

width=650
Mesmo hipnotizado, Superman tem dificuldade em agarrar a Grande Barda com paixão? Hmmm, sempre desconfiei desse Azulão…

 

Passando pra uma putaria mais hardcore, você sabia que Superman já traçou três superpoderosas em  uma mesma historia? São elas…

OK, confesso que a Supergirl ele não traçou, mas mostrou intenções e é o que vale Gordo João Lobo mode off.

Essa putaria toda só podia ter vindo da Era de Prata, mais precisamente da Action Comics #289 de 1962.

A história começa com o cupido, sim, o cupido tentando acertar o Superman quando esse voa em direção à Fortaleza da Solidão pronto pra colocar a super chave na fechadura (entendeu a metáfora?), enquanto Supergirl chega de supetão e impede o anjo flechador, dizendo que ela mesma gostaria de encontrar uma esposa para o primo , pois achava que ele estava solteiro a muito tempo … Era a década de 60, releve!

Supergirl, Linda Lee na época, começa sua epopéia viajando através do arco-iris do tempo (não pergunte) para a Troia antiga com o intuito de apresentar seu primo para a própria Helena. Como o Super descobre para que período de tempo sua prima havia ido? Simples, consultando o “Time Traveling Log Book”, um livro de registros de viagens no tempo (sim, um livro) onde toda a Super Família, incluindo o Super Macaco e o Super Cavalo registravam todas as suas viagens temporais.

Superman lendo a nota de Supergirl deixada sobre o Time Traveling Log Book
Helena de Troia, a única!
Superman surfando no arco-íris do tempo.

Chegando em Troia, Superman é atacado por soldados de bandana que estão lutando em uma espécie de coliseu, quando Helena, impressionada pela super força dele e da prima, resolve lançar as Bestas de Troia na pista. O problema é que as ditas bestas são nada mais nada menos que um Unicórnio e um Minotauro!!!

Supergirl abate ambos mas não os mata, ficando a cargo de Helena decidir o destino das “bestas” por um sinal de seu polegar. Polegar pra cima, as bestas seriam salvas, polegar pra baixo, Supergirl as mataria impiedosamente.

A prima de aço catando as Bestas pelos cornos!

Como resolver tal momento de suspense? Simples, ora pois, no momento que Helena moveu seu polegar pra baixo, Supergirl emitiu um sopro concentrado que fez o polegar de Helena virar pra cima e a mesma julgou que isso fosse obra de Zeus (arrrrrrghhhh!).

A pressão necessária pra fazer esse jato de ar atingir precisamente a mão de Helena seria o suficiente para decepar a sua mão. Mas quem se importa com física básica na Era de Prata?

Mas isso não tem nada a ver com o título da matéria seu Bolo Fofo – não, não tem, mas não poderia deixar de compartilhar mais esse momento escalafobético da Era de Prata.

Voltando ao assunto principal, os primos Super voltam para a Fortaleza, quando Linda Lee tem a brilhante idéia de forçar um encontro entre seu primo e Satúrnia, heroína do futuro, integrante da Legião dos Super Heróis. Como fazê-lo viajar  até o futuro com ela? Simples, fazendo uma super-faxina!

– Mandou bem Supergirl!
– Obrigado. Algum dia será a sua esposa quem estará aqui fazendo a faxina!
As “FEMINISTA” grita!!!

Chegando ao futuro da Legião do futuro, eles encontram os membros do grupo adolescente já adultos, e Superman se encanta ao rever  Satúrnia, agora mulher e ganhadora de prêmios e condecorações intergalácticas por “Inteligência e Amabilidades excepcionais”. Sim as mulheres ganhavam prêmios por serem amáveis nessa época!

A própria Satúrnia aparece e Superman usa sua super-cafagestabilidade-remprimida e tasca-lhe não um, mas dois beijos estalados de supetão.

Eis que chega o seu marido (!!!)  Relâmpago, cuja reação mais do que crível é dizer ao Superman “Ei, como assim beijar a minha esposa DUAS vezes Superman? Não encarne o espírito de Natal em demasia!”. Bem, isso é o futuro, os casamentos abertos já deviam ser mais aceitos de acordo com a visão de alguém vivendo em 1962.

Daqui os Super-primos protagonizam o momento mais bizarro e perturbador da história. Após saírem de fininho do futuro da Legião, Superman pega no rostinho de Linda Lee e declara:

– Quando eu finalmente encontrar meu grande amor, seria alguém Super e adorável como … você! Nós não podemos casar por que somos primos! Apesar de primos poderem casar em alguns países aqui da Terra …  somos ambos do Planeta Krypton, onde o casamento entre primos era proibido por lei!

OK, pausa para reflexão!

Superman declara-se para sua prima menor de idade (ela tinha 16) e afirma que o único motivo pelo qual ele não lhe dá uns pegas é por que isso é proibido em Krypton?

Certo.

Ok, por que a coisa piora um pouco mais quando Supergirl decide que a mulher perfeita para dominar o coração do seu primo seria uma versão adulta dela mesma. A escolhida é Luma Lynai. Uma alienígena igualzinho à Supergirl do futuro, que vive num planeta distante chamado Staryl e que por acaso também utiliza roupas de super heróina e uma capa com S estampado nela.

Superman cai perdidamente de amores por ela em cinco páginas de história, chegando a propor casar com a guria caso ela fosse para a Terra e curtisse morar lá.

Chegando ao planeta Azul, Luma perde seus poderes e fica extremamente fraca, pois aparentemente o tipo de cor laranja do Sol terrestre era diferente do laranja do sol do planeta natal dela.

Superman a leva de volta pra casa e diz que se ela quiser, ele desiste de sua jornada de proteção aos terrestres, abandonaria sua missão e mudaria para Staryl para viver com ela.

Aos prantos Luma cai em prantos e abre mão do amor de Superman, dizendo que a Terra precisa dele e que ele deve esquece-la. Com direito de trilha sonora de Whitney Houston e tudo.

 

E então?

Seu cérebro já derreteu e escorreu pelas narinas?

Preparado para ler sobre mais histórias absurdas dos amores e peguetes do Homem de Aço?

Então fique de olho no Cocô na Cuia para a continuação de nossa epopéia erótico-amorosa do Homem de Aço.

A lista está só começando. Vem por aí Dolores Rivera, Loris Lemaris (a sereia), Lana Lang (a caipira), Cat Grant (a repórter sensual), e a Supergirl, de novo, mas dessa vez não é boato.

Até lá!

Abraço do Gordo.

LINK para o segundo capítulo

  • Rafael Nascimento

    OK OK!!!
    Bela reportagem do cocô fama!

    • Huhahuahuahuahua!! Esperava o que do Gordo, o noveleiro do CNC? Hehehehehehe!

  • Huhahuahuauhauhauhahu!!

    'Quando vamos no casar?'

    'Quando todo mal e injustiça desaparecerem do mundo!'

    Huhauhuahuahu!! Mas é uma fanfarrona essa Mulher Maravilha! hehehehe!

  • Danilo

    Quando sai a parte 2 dessa matéria? ansioso demaissssssss!!! excelente matéria!!

    • Fala Danilo! Obrigado pelo comentário! Vou botar o Gordo no tronco e faze-lo agilizar a parte 2! hehehehe! abraço!

      • Abraço, excelente matéria mesmo!! E vamos ver se o Superman para com esse fetiche de duplo L, ninguém aguenta mais isso, rsrsrsrsr!! Pelo menos esse novo começou bem, com um D (Diana), ainda há esperança!! hehehehhehehhe