Top CNC – 10 Heróis Negros no mundo dos games

fotonoticia_20160212132208_680

Recentemente li um depoimento do ator global Lázaro Ramos (Ó Pá aí ó!) dizendo que faltavam referências de heróis negros em nossa cultura. Será mesmo?

Provavelmente.

Mas ainda que não ideal,  fato é que a representatividade de heróis negros está crescendo na cultura pop. Não apenas nos filmes de quadrinhos (que estão mais na moda do que nunca), mas sobretudo no mundo dos games. Por isso, o CNC traz para você um top dos 10 melhores heróis negros da história recente dos jogos eletrônicos. Eles não estão em nenhuma ordem em particular, todos merecem igualmente uma posição de destaque.

1. Adéwalé (Assassin’s Creed IV e Freedom Cry)

Assassins-Creed-Freedom-Cry-Screenshot-05

Adéwalé apareceu primeiro como contramestre e braço direito de Edward Kenway em Assassin’s Creed IV. Mas como o personagem era extremamente carismático, e sempre a voz da razão da tripulação, não tardou para que ele ganhasse uma aventura solo, na expansão stand-alone Freedom Cry. Nela, Adé abandonou de vez a pirataria e resolveu entrar para a Ordem dos Assassinos e combater a escravidão nos mares do Caribe.

2. Aveline de Grandpré (Assassin’s Creed Liberation)

maxresdefault

Aveline de Grandpré é uma mulher Assassina de ascendência Africano-Francesa e protagonista do game Assassin’s Creed Liberation. O jogo se passa em Nova Orleans entre 1765 e 1780 (meados da Revolução Americana). Aveline é recrutada para a Irmandade dos Assassinos por Agate, um escravo fugitivo, que atua como seu mentor. O enredo desenvolve-se em volta da prática cultural plaçage, onde homens franceses e espanhóis ricos arranjavam casamentos com mulheres de descendência africana, indiana ou crioula, permitindo assim a essas mulheres e aos seus filhos ganharem poder e posições de relevo na sociedade.

Então, Aveline serve à Irmandade  de três maneiras distintas: como dama da sociedade e aristocrata tocando os negócios da família; disfarçada como escrava para incitar rebeliões e libertá-los; e, claro, como assassina pulando pelos telhados e fazendo justiça.

3. Augustus Cole (Gears of War 3)

cole-train

Augustus “Cole-Train” era um jogador de futebol americano de carreira que se juntou ao time de soldados Gears quando os Locusts invadiram a Terra.  Apesar do sucesso militar, Cole rejeitou todas as promoções oferecidas pelo comando. No time Delta-One, o personagem é um dos mais carismáticos em meio àquele monte de brucutus mal-encarados e está disponível como personagem jogável no primeiro ato de Gears of War 3.

4. Sheva Alomar (Resident Evil 5)

original2

A personagem surgiu na série como substituta para Jill Valentine como parceira de Chris Redfild. De acordo com os produtores do game, Sheva foi pensada como uma personagem feminina e forte. A personagem ajuda no combate aos infectados pelo vírus T no episódio que levou a série para a África

5. Barrett Wallace (Final Fantasy VII)

FFVIIAC-Barret

Um dos personagens mais complexos dos games, Barrett é visto como um eco terrorista pelas grandes corporações em Final Fantasy VII. Conforme o enredo do game vai se desenrolando, o personagem passa a lutar contra o vilão Sephiroth para proteger o planeta. Apesar da aparência e atitudes ríspidas, ele possui uma filha adotiva, Marlene, para quem ele é maior manteiga derretida. Barret também foi o primeiro personagem (jogável) negro da franquia.

6. Sazh Katzroy (Final Fantasy XIII)

sazh_and_dajh__ffxiii__by_soundtrackbliss-d95d6d5

Sazh é um dos personagens centrais de Final Fantasy XIII. Sua esposa morreu três anos antes dos eventos do jogo, deixando o personagem para cuidar sozinho do filho de seis anos Dajh (que por sinal foi marcado para ser um L’Cie. Ou Fal’Cie? Nunca lembro!). Aliás, salvar o filho é a grande motivação do personagem. Primeiramente apresentado como o alívio cômico do grupo, Sazh acaba se revelando o personagem mais humano do game.

7. Seth Balmore (Lost Odyssey)

maxresdefault2

Seth é uma das protagonistas de Lost Odyssey e também uma Imortal. Como viveu por mais de 1000 anos, era de se esperar que ela tivesse um comportamento mais taciturno e contemplativo, como Kaim e Ming (outros protagonistas do game). Ao invés disso, Seth manteve-se jovem (e irresponsável) e com o espírito livre, e dedicou seus anos à pirataria.

Mas quando o mundo foi ameaçado por Gongora (outro imortal), Seth faz o sacrifício final arrastando o vilão junto com ela para outra dimensão no Salão dos Espelhos, e Kaim quebra o espelho selando os dois do outro lado para sempre.

8. Eddy Gordo (série Tekken)

maxresdefault3

Eddy é o primeiro representante brasileiro na franquia de games de luta da Namco. O rapaz aprendeu capoeira e entrou no torneio para tentar descobrir quem matou o seu pai. Trajado com as cores do País e sempre cheio de chutes poderosos, Eddy é um dos personagem mais famoso dos fliperamas nacionais. Eu não ia colocar nenhum personagem de games de luta, simplesmente por eles não necessariamente seguirem o estereótipo de “herói”. Mas resolvi abrir uma exceção para Eddy pois (apesar do nome) ele foi o primeiro brasileiro bem representado em games de luta (não era um monstro verde e laranja morando na Amazônia, por exemplo).

9. Laurence “Prophet” Barnes (Crysis 3)

crysis2_prophets_journey_trailer_02

Prophet é o protagonista de Crysis 3, mas já aparece desde o primeiro game como líder do esquadrão Raptor (soldados aprimorados através de trajes tecnológicos – as nanosuits), que combatem uma invasão alienígena à Terra. No segundo game, Prophet morre e passa seu traje para Alcatraz. Mas mesmo após sua morte, sua consciência se funde à nanosuit (?) e ele continua a sua luta na seqüência. É dele a célebre frase “Ser um soldado se resume à uma unica questão – o que você está disposto a sacrificar?”.

10. Lee Everett (The Walking Dead Season 1)

pic52

Lee é aquele caso de um sujeito comum e o que ele consegue fazer em situações extraordinárias, neste caso, um apocalipse zumbi. Incumbido de proteger uma garotinha chamada Clementine em meio ao caos, Lee se alia à vários outros personagens e se torna o líder de um grupo de refugiados. Os desenvolvedores do game focaram no realismo ao criarem o personagem, deixando ele o mais humano e real possível, com uma forte ênfase no relacionamento paternal que ele desenvolve com Clementine. Além disso, ele tem um passado que volte e meia volta para assombrá-lo: antes dos eventos do jogo, ele era um professor de história na universidade de Georgia. Ao voltar pra casa, encontra a esposa dormindo com outro homem (e, no caso, um senador). Num acesso de fúria, Lee o mata e é sentenciado à prisão. O crime o distanciou de sua família e amigos, e o arrependimento pelo seu crime é uma constante no jogo.

Por ele ser um personagem sofrido, tão real e tão palatável, faz o desfecho da primeira temporada do game The Walking Dead ser ainda mais difícil de engolir, e é impossível não ficar com um gosto amargo na boca. Sem querer entrar no mérito de spoilers (mas já entrando… vamos lá, o jogo é velho já!), Lee e Clem protagonizam um dos momentos mais tristes da história dos games.

Enfim, esse foi nosso Top 10. Deixamos alguém de fora da lista? Comenta aí!

Nota 1: Exceto pelo Eddy, da série Tekken, não incluí nenhum outro personagem de games de luta conforme já explicado acima;

Nota 2: Também não incluí CJ e Franklin da série GTA porque apesar de muitas vezes bem intencionados eles são, tecnicamente, “bandidos” e não “mocinhos”.