I am Setsuna – Review

Como estamos de quarentena, estou tentando botar meu backlog de RPGs em dia. E estou falhando miseravelmente, óbvio.

Maaaas… acabei de acabar I am Setsuna (atrasado, pra variar, já que o jogo é de 2016/2017). O game, desde seu anúncio, nunca escondeu que quis prestar homenagem à era de ouro dos jRPGs e, principalmente, Chrono Trigger (como uma jogabilidade semelhante e até alguns nomes em comum).

O jogo é um “já te vi em algum lugar” atrás do outro.

Porém, parece que ficou claro que um clássico atemporal como CT não pode ser fabricado apenas seguindo seus mesmos moldes.

I am Setsuna não é um jogo ruim, como um jRPG ele é até bem agradável, possui boas mecânicas e jogabilidade. O maior problema é que ele fica sempre à sombra dos jogos que ele quer homenagear, e perde a oportunidade de entregar algo realmente novo e original.

Tá vendo?

A história é bem meia boca, mas são os mesmos clichês que quase todo jRPG: Você é Endir, um mercenário malvadão que é contratado pra matar a Setsuna que dá nome ao game. Só que chegando lá você descobre que Setsuna é a escolhida como Sacrifício para – pasmem – salvar o mundo. Ela tem que – pasmem de novo – embarcar em uma jornada com seus fiéis escudeiros para a “Last Lands”, onde ela fará seu derradeiro sacríficio. A história parece que foi chupinhada de FFX, enquanto que o protagonista Endir em sua jornada de redenção lembra Cecil de FFIV (inclusive visualmente).

O game até possui umas batalhas interessantes, mas perde a oportunidade de criar algo único.

Os personagens são insossos e sem carisma, e totalmente esquecíveis (sem brincadeira, eu acabei de zerar o jogo e tive que olhar no Google o nome do protagonista porque eu havia esquecido). Por outro lado, eles possuem características e habilidades interessantes, que podem ser usadas em conjunto com os demais mebros do grupo (de novo, as dual e triple techs de Chrono).

A trilha sonora é bem caprichada e 100% tocada no piano. A idéia era boa na teoria, mas na prática, junto com os cenários (o tempo todo na neve, a propósito), embala um soninho gostoso.

Enfim, não é por parecer Chrono Trigger, jogar como Chrono Trigger e soar como Chrono Trigger que faz de I am Setsuna o novo Chrono Trigger.

I am Setsuna tem todas as mecânicas de Chrono Trigger, mas não possui o seu espírito.