Das Antigas – Secret of Evermore

O ano era 1995. Balão, no auge dos seus tenros 12 aninhos consumia literalmente todo e qualquer RPG eletrônico que podia encontrar em seu Super Nintendo, desde obras-primas como Chrono Trigger até produções de gosto meio duvidoso como Secret of the Stars. Revistas de games especializadas falavam em uma antecipada sequência de um dos carros-chefe da então poderosa Squaresoft: Secret of Mana. Sim, “Mana 2” era uma realidade na Terra do Sol Nascente e nós continuávamos a ver navios.

A continuação de Secret of Mana (Seiken Densetsu 3) realmente era um grande desafio para a localização americana, visto que usava um sistema de compressão de fontes japonesas inédita até então. E como já estávamos em transição da era 16 para os 32 bits, o interesse nem era mais tão grande assim já que os olhos estavam todos voltados para os impressionantes gráficos poligonais do glorioso “preisteicho”.

Numa feliz (ou seria infeliz?) coincidência, ao mesmo tempo do advento do “Mana 2”, o estúdio americano da Square em Redmond, Washington, desenvolvia seu primeiro jRPG enlatado americano, seguindo os mesmos moldes de quem? Isso mesmo, do primeiro Secret of Mana, que havia sido um grande sucesso aqui na terra do Tio Sam. Nascia aí Secret of Evermore, um jRPG de ação com aquela pitada americana.

Jogo já metia você pra peitar um boss gigante logo de cara.

Coincidência ou (má) sorte, o game acabou sendo alvo de ódio pela comunidada pois muitos (eu inclusive) o culpavam pela ausência de Secret of Mana 2 no Ocidente (como ocorrreu com Final Fantasy V e Mystic Quest alguns anos antes). Na verdade esse rumor foi desmentido pelos produtores, já que a produção de SoE realmente foi independente e já havia começado anos antes. Mas o estrago já estava feito.

Realmente, Secret of Evermore não chega a ser uma grande obra de arte, e nem figura como uma das principais obras do gênero da sua geração. Como sua produção foi conturbada, tem vários defeitos que volte e meia deixam o game com cara de obra inacabada e várias idéias meio mal passadas… como por exemplo, um jogo similar à Secret of Mana não ter opção multiplayer? Em entrevista os produtores revelaram que muitas dessas limitações eram devido à falta de experiência da equipe, de terem que construir a engine praticamente do zero (porque não conseguiram fazer a engenharia reversa de Secret of Mana), e, também as limitações do espaço do cartucho (dos 60Mb originais, tiveram que fazer caber em um de 24Mb).

Como todo jogo da época, usava e abusava do Mode 7

Mas jogando depois de alguns anos (e com a cabeça fria) dá pra ver que o game tinha inúmeros elementos legais, e esse toque americano quebrava alguns estereótipos do gênero de maneira bem bacanas e criativas como, por exemplo: utilização de alquimia (mistura de ingredientes) para magias ao invés de um sistema convencional de MP; o seu companheiro ser um cachorro; os quatro reinos de Evermore: Pre-Historia, Nobilia (uma mistura de Roma e Egito), Gothika (Medieval), e Omnitopia (Futurista); e a clara inspiração nos filmes B para amarrar a história: rapaz que viaja para um mundo mágico, a culpa é do mordomo robô, e por aí vai…

Pre-Historia
Nobilia (Egito / Roma / Grécia)
Gothika (Idade Média)
Omnitopia (Futurista). Cuidado com o mordomo!

O game também tem um tom mais soturno que os sempre vibrantes e multi-coloridos mundos dos RPGs japoneses, o que dá um tom até um pouco mais cinematográfico para a história. Se Zack Snyder criasse um jRPG, com certeza seria bem parecido com isso aqui.

Enfim, se liberte de seus traumas de infância e de mais uma chance à Secret of Evermore, você não vai se arrepender! Ou vai? Enfim, pelo menos algumas horinhas de diversão estão garantidas, já que o jogo também não é muito longo.

Cantinho de Dicas do Balão

Cuidado com os boss sacanas!

Evermore tem uns chefinhos bem fdps, que vão deixar você com vontade de tacar o controle na parede. Mas não se aflija! Tá precisando de uma forcinha naquele boss maroto? O Tio Balão ajuda! Assim que você aprender a magia “Escape” com Horace (no acampamento em Nobilia), deixe ela sempre equipada. Ao começar a luta contra aquele boss chato, solte uma. Obviamente você não conseguirá escapar, mas um bug no jogo o deixará invencível até o final da luta. TCHARAM!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.