5 jRPGs Essenciais – SEGA Saturn

Consoles da Sega nunca foram referência em jRPGs, e o Saturn apesar de ter alguns representantes do gênero, não é uma exceção. Novamente, como nos outros top 5, vamos cagar algumas regras pra não virar bagunça:

  • Só vale um jogo de cada série / franquia
  • Dungeon Crawlers com perspectiva em primeira pessoa normalmente não são considerados, mas para o Saturn vou abrir uma exceção.
  • O foco são os RPGs japoneses (os jRPGs) então RPGs ocidentais ficam de fora.
  • Só jogos que foram oficialmente localizados em inglês, ou seja, que sejam de fácil alcance a todos.
  • Novamente, eles não estão em nenhuma ordem em particular (ou está?), isto não é um ranking, todos os jogos são excelentes e merecem ser jogados.

Dragon Force

Dragon Force é um jogo que mescla elementos de RPG e estratégia, e foi lançado em 1996 no Japão e posteriormente localizado em inglês pela Working Designs.

O game alterna entre a visão do mapa, onde posiciona tropas, comanda os movimentos e faz o planejamento estratégico; e a cena das batalhas em si, que são em tempo real. Caso haja um impasse, o vencedor pode ser definido através de um duelo de generais.

Posicionamento estratégico no mapa…
… batalhas de exércitos épicas…
… e umas cutscenes de vez em quando.

A cada semana de jogo há uma pausa para o jogador lidar com deveres administrativos, como melhorar o castelo e recrutar novas tropas e generais. São nesses interlúdios que vemos algumas cutscenes que contam a história do jogo também.

Na época o game impressionou por apresentar uma CARALHADA de personagens ao mesmo tempo nas lutas de exército, algo inédito e surpreendente pra época.

Panzer Dragoon Saga

Panzer Dragoon Saga era um jogo que tinha tudo pra dar errado: um derivado de uma franquia de sucesso, mas um gênero complatemente diferente; o combate sobre dragões que fazia o Saturn literalmente se peidar pra rodar; e, finalmente, ser um game concebido para bater de frente com o todo-poderoso Final Fantasy VII da concorrente.

Mas e não é que deu certo? Na verdade deu muuuuuuito certo e o game é considerado por muitos O MELHOR RPG do Saturnão.

O game funciona mais ou menos como um RPG por turnos tradicional, com o diferencial obviamente sendo os combates em cima do seu fiel dragão montaria. Para quem não sabe, Panzer Dragoon era originalmente um simulador de vôo em dragão.

Também é um dos jogos mais raros para o console atualmente, valendo uma pequena fortuna.

Shining the Holy Ark

Jogo que me fez cagar a própria regra (senão não teria material suficiente para um Top 5 do Saturn). Mas merecidamente, já que Shining the Holy é Ark foi produzido pela Camelot (mesma de Shining Force e Golden Sun) e, apesar de ser um dungeon crawler em primeira pessoa, o game exala jRPG por todos os poros.

Curiosamente, apesar da visão em primeira pessoa, os combates são por turnos e seus personagens “pulam” pra dentro da câmera quando a luta começa.

Depois de Shining Wisdom (primeira entrada da série Shining pro Saturn) decepcionar os fãs com uma abordagem mais de ação, STHA resgata os elementos de RPG “raiz”. O jogo é o sucessor espiritual de Shining in the Darkness do Mega, com uma jogabilidade bem mais variada (e divertida).

O jogo também apresenta uma história impressionantemente adulta, e serve como prequel para Shining Force III, nosso próximo jogo da lista.

Shining Force III (Scenario I)

Shining Force dispensa apresentações. Os dois primeiros figuram entre os melhores RPGs do Mega-Drive, e o terceiro não seria exceção. Novamente fruto da dobradinha Camelot e Sega, foi lançado em 1996 para o Saturnão.

O game foi dividido em três CDs (ou cenários), sendo que o primeiro conta a história de um herói republicano chamado de Synbios; o segundo CD fala sobre o príncipe do império de Destonia chamado de Medion; o terceiro fala sobre Julian, um mercenário que procura vingar seu pai (gancho de Shining in the Holy Ark).

Mas olha a cagada: embora o game tenha sido lançado em três capítulos / cenários, apenas o primeiro foi traduzido para o inglês, os dois seguintes ficaram restritos apenas ao Japão por já terem sido lançados no final da vida útil do console, quando todas as atenções da SEGA já estavam voltadas para o Dreamcast. Felizmente, bons samaritanos fizeram traduções que podem ser encontradas com facilidade na internet.

Os três cenários foram idealizados para serem jogados na sequência, inclusive com habilidade de importar o save do jogo anterior.

Albert Odyssey: Legend of Eldean

Provavelmente o jRPG mais tradicional dessa lista, e também um dos poucos disponíveis para Saturn. Sequência de Albert Odyssey 1 e 2 (para o Super NES), foi o único a receber uma localização oficial em inglês.

Curiosamente, os dois primeiros games da série eram RPGs táticos similares a Shining Force e afins, e o terceiro resolveu seguir por um caminho mais Dragon Quest / Final Fantasy. O game foi concebido originalmente para o Super NES, sendo portado para o Saturn no meio do caminho com algumas melhorias gráficas e trilha sonora orquestrada.

A história também é jRPG 101: após ter sua família brutalmente assassinada por (INSIRA NOME DO VILÃO AQUI) e ter sua cidade destruída, jovem parte em busca de vingança e recruta uma galera com uma história triste parecida pra ajudar na busca.

Apesar de ser um jogo extremamente divertido, ele conta com alguns defeitos como por exemplo altas chances de encontros aleatórios de batalhas: isso aliado à um longo tempo de loading pode comprometer a experiência.

Mas não deixa de ser um belo jRPG de encher os olhos, que infelizmente ficou meio esquecido no tempo.

Menções Honrosas

Os games abaixo não entraram na lista pois foram lançados apenas no Japão, mas tiveram traduções feitas por fãs:

  • Grandia
  • Vandal Hearts
  • Suikoden 1
  • Lunal Silver Star Story / Eternal Blue
  • Shining Force III (cenários 2 e 3)

No próximo episódio… vamos falar sobre os jRPGs do… Nintendo 64! Pera aí? Nintendo 64 teve jRPGs?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.